sexta-feira, dezembro 15, 2006

Vida i nhatidura


djamba
karga don
na tchur di burbuleta

jangada
mbosanta flema

na kambansa di lunghada

na gan-djugude panela di tchur firia iam
tripa di lubu so bosta
pitu di baka dja i ka afuam

no na rabola na reia
pa fika boka
na gan-djambatutu

timba mandji si korson na fidida
purku spinha nega ku si po di tufuli
galinha di matu benhenhi boka
aos nogos ka ten kabelu djurdjuri


kal dia ku santchu
fala
malaka mantenha
si ka na dusgustu di kasisa

parentasku di djamba
ku burbuleta
i ta migu di sedu
na bariga di djamburera

no na karmusa ku don
di mandurgada
ruba di bumbulum

djambadon

na kumbu di polon

n mapi lankon di djagra
n na tchalasia ku korson
mandinti
na bantaba di nha sufrimenti

ma vida i nhatidura
nha korson kinguiti
dur


13:15
16.12.06
Ndongle Akudeta

terça-feira, novembro 28, 2006

NA BU PALMU


Na bu palmu di mon
nha distinu skribidu
na masan di bu orta
serpenti sikidu na porta

tris riu ku na lagua mansu
pa bulanha di bu dedu
nsomba-nsonbadu

bemba di saudadi ku sikidu
maron di djiba ta badja tchintchin
na tchikinidura di bu garasa

Na bu palmu di mon kaminhu
singadura di seu ku tingi lundju
strelas mansebu ta sai sardia
na sara-noiba di lunga badjuda
flur di lalu-kaminhu...

na kada palmu kantiga di nha pasu
kantu frontera dja ku n kamba
djidiu ami i sidadon di mundu
ora ku n na kanta bu nomi
(taibas tchapadu ku kordon di bu tadju)
n ta toka dondon nuven nkanta

ami i sidadon di mundu
na kada tchalasiada di dinoti
n ta furta sunhu di manduragada


(09.07.05)
Ndongle Akudeta

Ouvir http://www.hi5.com/friend/video/displayViewVideo.do?videoId=3425665&ownerId=9874763

segunda-feira, novembro 27, 2006

de repente



De repente vejo
a morte patenteada
na soleira da porta

caixa de correio

recheada de visões

e alucinações

ininterruptas

sou inabalavel

mente

insubmisso

perante sonhos


sou eternamente rejeitado

na esquina da rua

para além da vida


construo barcos

com o pó de sílabas

para a inauguração

da rota experimental

do acaso


já casei com o tempo

e não peço desculpa ao vento

pelo celibato

(isso sim no papel

concebido por interesses do notário)

não deixo impressões em material nenhum

vou-me embora aconchegado no manto da palavra

e exijo um funeral no pico dorsal do vento maestro

Add Image
HO Carvalho

27.11.06

00:29

quarta-feira, novembro 22, 2006

Parabéns

Djambadon está de parabéns

e todos os seus amigos bloggers e leitores

Um ano cheio de energia e inspiração

de liberdade de opinião e de Criatividade


Djambadon agradece aos que fizeram com que este espaço seja um veículo de entretenimento e de reflexão de expressão do laivo de sentimento nacional do que nos norteia no vasto leque linguístico-cultural guineense, fazendo pairar, na linha da interacção entre gerações, o ensejo de alicerçar uma sólida pedra para a reformulação dos traços identitários da literatura do saber guineense na sua dimensão pluricêntrica.
E o tantam mandou uma manga de mantenha para todos os filhos e amigos da Guiné! Anumbara!

O Editor

domingo, novembro 19, 2006

No findji segu tudu no totoli


No findji segu tudu no totoli
no na mopi padja seku pa leteti
pa ka manhoka puntanu kaminhu
Alanu sikidu na pidi simola na porta di igresia

Staka na sumiadu na tchon pa tapada
pintchadur di lenha na fugon sin brasa...
bixa di pis na markadu ku lata di sardinha
disna di ontordia pasadu di noti na taliu
anos tudu i kornabifi buluradu na pakoti di Pam
Kasabi di baka produzidu pa alimenta mundu

Anos i kasisa ku bin kumpanha tchur di Nghala
na kada banda ku tisidu na tear no mantenha tip iar
no na ndjita ku bingala pa tchiga NTULA
kontatchur ka topi silin ku fadi sineta
ninguin pa bai fera ka ten - rekadu maina
bumbulum rodja mukur
ai manganas na nha kankra manhoti djopoti!

Mininus panha apolo bas di sombra di polon
Aboplo kamba mar di Uno sin pera Unal
Manhoka tchiga ku bon kombersa di djiresa
Santchu disi di po ku si tudu tulesa
Segus di bardadi tchuli dedu kuma kaminhu i pali
kuma na sukuru ku udju di fonti ta iabri pa iagu gustus soronda

No pupa bibo
no karga alma ku ka bibu no sintanda na baranda
kikia kuma kuiiuu
pa disgrasia gasidjanta moransa ku matansa
no distindi stera di tchur no tchora no kasabi paki anos i kasisa
si dun di un udju kuma lungha kai sol tchon purmer ka no djusia
no ruma no mbludju no pui na skina di strada te pa oki kandonga intchi
No nkunha na tapada di sol no djunpini bisinhansa
ku udju regilidu no rapada

01.05.04 02:40

segunda-feira, novembro 06, 2006

terça-feira, outubro 03, 2006

Imperfeição (Vicivs)



quem me beliscar as chagas
as minhas costas chicotear
o meu desconforto endireitar
e as turbulentas cócegas amansar
quem?

permanente
infecção
carente
de enfermeiro

no leito
da perfeição
manuseio
do ferreiro

experimentando em maço
amassando-me em pedaços
atrapalho o que faço em passos
e desfaço-me
no espaço

aclamo-vos ó hino clemente
libertando-me
deste meu ser cretino
cá tenho a correcta chibata
quem quer me chicotear
veementemente

Adão Quadé
Viseu, Sábado, 27.01.2001

sábado, setembro 23, 2006

Basora di midju



midju di ntudju
ki roson
pa amanha
- ma diparmanha

si arus di suta
bin ka ten na benten
fiansa-di-naris-di-gatu
i na bo - mbombo!

rasta basora
te na kosta
[1]
i sin k' n ta ngosta
mposta ka bu kuda

rafinka

na turpesa
bu disdangu

badjudesa

tudu mpustur
k' n na mpustur
i sin ki ta melan - katchur
[2]

n na sita kum'bo[3]
na kumbu di polon
diparmanha sedu
bas di serenu

n na mundu' farinha
pa simola
[4]
o pa papa pa panga

pa roson

o pa kubamba
si bu seta


N.A. - Kunfentu 2001
Lisboa-Viseu



[1] Uma metáfora e jogo de palavras e sentidos. "Rasta" tranças com longos cabelos postiços. Ou melhor, "larga kabelo te na kosta suma basora di midju"
[2]Ami ki katchur; nha katchurndadi. Asin ki ta melan na nha katchurndadi. Apesar de ser "katchur", o sujeito poético deseja uma "badjuda" reservada e modesta e que saiba "rafinka na turpesa", afastando-se de todas as manifestações e ambições que a "badjudesa" no seu meio proporciona.
[3]Ku bo (port. contigo)
[4] mundu [verbo inf. + 2ªp.s. u >(b)u]...comprimir com a mão. Confeccionar. Afarinhar-te; fazer-te farinha para dar em esmola. Simola aqui também é um verbo no infinitivo.


o sulco da paixão
elevado ao púlpito

do coração

desconcerta-se
apito da razão
arbitrária

torneio da loucura

almas
em procura
põe-se a preço de vaca

sono apunhalado
com uma faca


01.09.05
Adão Quadé


a sinceridade máxima
perece só quando
perdemos a noção
da integridade espiritual

deito-me sempre em horizontal
e acordo em transversa
lcom tronco
pendurado na lua

com a conivência de um fio
de cabelo
içado pela grua

em cada noite perco
um centímetro
no espaço

sonho a voar
com as asas
do calcanhar


01.09.05
Adão Quadé

terça-feira, setembro 19, 2006

Soneto



N misti ngabau na Kriol si bu na seta
Lingu mas romantis ki n kunsi
Paki bridju di bu rostu ...sol dal teta
Djamburera di nha noti ku na nansi

Pa n falau... n mistiu dja gos ka ten
N djurmenta ba dja kuma nunka mas
Ma kil bu udju ta dan gana di tcheben
Ku ta keman nha pitu di mampatas

Na djustu di firianta korson
N gasta sola di nha bikera
Uagan djelu na pitu ason

Ku tcheru suabi di bu suris
Pa arnoba fiansa di ka disispera
Sikidu bas di pe di sibi ku nha totis

Abril 2003
Ndongle Akudeta

segunda-feira, setembro 18, 2006

Tchom bu nganan


Dedicada a "Bambaran di Padidas"
Para a minha amiga Antu "udju di bilas"




n duspidu banda
n sindjidu basan
n maradu sindjidura
n lalu na kandja

bus na kabelu
djaldjali fadjan
kordon i midjidura
kikil-kilin di kaskabelu

n kortadu kasaku
na ris di ndibidi
kustumu iebadu
ratin badjudesa

tchon bu nganan
anel na dedu - sadjo...

mame bu iaran
paki n pustema
bu roban gustu

nha purbitu
nmerma
alin n nhani
dusgustu

31/08/00
Ndongle Akudeta

quarta-feira, setembro 13, 2006

Mutilação genital feminino



Mutilação genital feminina
Criado em 01 de Agosto 2002

Combater a excisão, mantendo o fanado
Sinin Mira Nassiquê luta contra a MGF na Guiné-Bissau


por: Sofia Branco


A Sinin Mira Nassiquê é uma organização não-governamental (ONG) guineense que se dedica ao combate contra a MGF. Para tal, criou um projecto que tenta convencer as pessoas de que a prática é um problema de saúde pública. Tendo em conta a importância da fertilidade e da maternidade em África, a associação preocupa-se em demonstrar as consequências graves que a MGF pode implicar para a saúde das mulheres e dos seus bebés.

Optando por não defender o fim do fanado, ritual ancestral completamente enraizado em determinadas comunidades, a Sinin Mira Nassiquê criou, ao contrário, um "fanado alternativo", que inclui todos os pormenores da cerimónia tradicional, excluindo a mutilação genital. As duas iniciativas realizadas até agora pela ONG não tiveram uma adesão muito forte, mas neste caso todos os números contam.
O primeiro "fanado alternativo", realizado em 1996, recebeu 55 meninas, que se juntaram para ouvir falar sobre o respeito pelos mais velhos, normas de conduta social, cuidados de higiene corporal e doenças. Ao mesmo tempo, aprenderam a bordar, a dançar e as regras do casamento. Tudo assuntos abordados num fanado tradicional. No ano passado, o "fanado alternativo" atraiu 33 meninas.
Durante as cerimónias, a Sinin Mira Nassiquê aproveita para falar dos direitos das crianças com as próprias crianças.Esta abordagem é considerada pela Sinin Mira Nassiquê como a única porta de entrada num universo ritualístico milenar, enraizado na comunidade e que é legado de mães para filhas. "Temos consciência que estamos a criar um grupo de exclusão", afirmou a portuguesa Paula da Costa, da Sinin Mira Nassiquê, quando esteve em Lisboa para apresentar o projecto e falar da MGF, a 15 de Maio passado.
Nessa altura, Paula da Costa e a guineense Augusta Mendonça, também da Sinin Mira Nassiquê, mostraram um vídeo da mutilação genital de uma criança (que aparentava ter apenas três ou quatro anos de idade) no Mali, antes de abordarem o tema. Nele, a menina era segurada à força pelas mãos de vários adultos, enquanto o excisador (no caso do Mali um homem) lhe cortava o clítoris, atirando os pedaços para o chão como se de desperdício se tratasse.
Nessa altura, as duas responsáveis da organização invocaram a possibilidade de a MGF ser praticada em Portugal, mas realçaram não ter provas concretas. Sobre o que acontece na barraca colocada no meio do mato ninguém fala, é "um segredo muito bem guardado", explicou à data Augusta Mendonça. Guineense e excisada aos dez anos de idade, a própria recusou-se a contar ao PUBLICO.PT o que lhe aconteceu no fanado, limitando-se a dizer "que é difícil falar sobre isso".Outra das preocupações da Sinin Mira Nassiquê passa pela reintegração das fanatecas. Isto porque, na Guiné, "as excisadoras são uma profissão como outra qualquer, com algo de sagrado e misterioso, com muita credibilidade junto da comunidade local", realça Paula da Costa. Muitas das fanatecas são parteiras ao mesmo tempo, "têm conhecimentos de medicina tradicional e muito poder dentro da comunidade".
Para lidar com esta situação, a organização está a tentar perceber os interesses das excisadoras, de forma a reconvertê-las social e economicamente, já que "elas recebem dinheiro por cabeça e géneros depois" de consumada a excisão.
Algumas fanatecas já vieram ter com a Sinin Mira Nassiquê para dizerem que não concordam com a prática e, actualmente, "dão a cara e a voz" contra a excisão. Até agora, a organização já recenseou 33 fanatecas.Formada em 1996 por um grupo de mulheres guineenses, na maioria muçulmanas, Sinin Mira Nassiquê quer dizer "olhar para a frente, olhar o futuro", explicou Paula da Costa que, há 20 anos, quando visitou a Guiné, se tornou numa das primeiras pessoas a manifestarem-se publicamente contra a excisão. A prática "mexeu" com ela e, duas décadas depois, voltou à Guiné "para fechar o círculo".
Nas suas estadias em países onde a MGF é praticada, nomeadamente na Guiné-Bissau e no Chade, o presidente da AMI, Fernando Nobre, apercebeu-se da "importância crucial" da prática no seio da comunidade. "Os rapazes e as raparigas que não passam pelo ritual são rejeitados. Existe uma noção de comunidade extremamente forte. Ser rejeitado é estar morto, fica-se desprotegido no seio da sociedade".
Na opinião de Fernando Nobre, rituais como o fanado guineense, "de origens imemoriais", foram "consubstanciados" pela ideia de um domínio do homem sobre a mulher. Para reverter estes fenómenos, é preciso "formação e educação, sensibilizar a juventude para os riscos dessas práticas para as mulheres". O presidente da AMI acredita que a MGF "acabará por desaparecer, mercê do protesto que as mulheres dos países onde ela é praticada, a pouco e pouco, ousarão fazer". O desaparecimento da prática resultará da "pressão das próprias mulheres" e não de "pressões externas". Na sua opinião, num "mundo cada vez mais homogeneizado e globalizante", a importância de afirmar a pertença a um determinado grupo tende a diluir-se.

picapau rafinka


turpesa i pa rafinka
pardos no disa tropesa

n guli dja dimás
pabia n ta kala ba
mansesa ntindidu pa tulesa

n findji tulu pa ka rema
ma riu fundu
maron ta rebela

galinha na sangra...
kaminhu lundju

Paulino Cabral
12. Setembro
Lisboa 2006

sábado, setembro 09, 2006

Para ti da tabanca


É para ti da tabancalivre e esbelta
de corpo e alma entregue à natureza
que eu canto este poema

Para ti mulher simples
de espírito puro sem ambição
corpo esbelto sem complexo
seios soltos ao longo do peito
pés marcados pelo sacrifício
braços torturados
mãos entregues ao ritmo das enxadas
que cantam a verdade no tempo das chuvas

Para ti, de olhos esperançosos no que semearás
na beleza com que pintarás
e florirás terra fecunda
é por respeitar a vida
que eu te canto
porque em ti tudo é vida!

Ytchyana, In Momentos Primeiros da Construção

quarta-feira, setembro 06, 2006

A Bolama


Cingido pela sombra
Do mangueiro
Esqueci o mundo

Sentei o corpo
na relva,

olhando o mar

Um pescador
deitou
a rede
três
canoas
cortaram
o horizonte

O sol esmorecia

como soprado
pela brisa
ouvi
um merengue
Adormeci…
(e eu que sentia o pesadelo
De viver)

Carlos Semedo, Poemas

Labutare


05:38 28-01-2003

perder sono para produzir
algo de rentável é salutar
levantar cedo para ganhar o dia
(é) correr de um lado para outro em espiral

preso entre sorrisos de semáforos da via
o meu vício não tem alimento nem acalento
gritar socorro à ambulância que passa
socorro sempre em coro só um soro
rouco um suco de coco guarda as moedas

já nem sequer o tempo se nos espera
um café cheio para alçar fé creio
mereço algo que estimule esta vaidade
padeço de epidemia da assiduidade
prostração da congestão temporal

despertador frustrado coma do sino
o galo agora só canta ao vespertino
sol a esfregar calcanhar no penedo
perdeu o fery-boat do ocaso

ziguezague precipitada da maré
inverno bateu recorde positivo
vai-se ao enterrar o poeta
sem caixão nem distintivo

Adão Quadé

1ª sinfonia negra



No descanso
não há descanso

Corpo inerte envolto em panos
Descanso eterno
Na casinhola do hospital

Braços que erguem funestos
Repousam sobre as cabeças
De lenços apertados

O desespero ordenha os olhos
Dos corpos que se dobram
Em trambolhão de homenagem

Na casinha onde os mortos descansam
Da Primeira Sinfonia Negra
Há um maestro sempre ausente – Morte

Ironia dó e aflição fatais
Inspiram o coro (in)convencional
Cada um invocando a própria mãe

Bombolons reclamam vida e recordam
Alma volúvel!
Entre partir e voltar

Maca improvisada ou caixão
No solo se abre a casinha definitiva
Animais e licores custeiam o funeral

Félix Sigá,
In Antologia Poética da Guiné-Bissau

Puti di mel


No garandi mbanka
na gamel di muni
ku faimadesa
pa leteti

sobra mininu ka ten
ma kuma ardansa kaba
nhulai gasidjantadu disna
na pe di kabelu

baguera k’ seba
na mermeri
ké di bu feretcha – flaka
ké di bu un bala – pupa
ké di bu kumbu – djugta
ké di bu bida – topoti
- n ka dau tabaku!

Ma
palabra
di mundu…
mudju ku falta
na kabas
di kuntangu

Ndongle Akudeta
11:55 26.06.06

segunda-feira, setembro 04, 2006

sexta-feira, julho 21, 2006

Obulum

OBulum um espaço de reflexão sobre a Guiné-Bissau de Nelson Constantino Lopes

Rio Geba

Um blog para consultar, indispensável para quem, como Waldir Araújo, vai ao Rio Geba em busca da inspiração.

Tempo de transformação


Sorrisos sem brilhos
Mãos esqueléticas trabalhando
sem cessar
cotins e sarjas
esburacadas sem cor
pelo desgaste
sem solvência para repor

Pés rachados e endurecidos
calos nas mãos
calos nas patas
Até espinhas e sol se resignam
Ossos forçando peles
aqui e lá também
e as costelas
quais persianas
sob cortina de carne

É a vida
É esta vida do começo
que nossos corpos retratam
Povo meu


Em tempo de transformações
o tempo esculpe em nós
o seu curso
E na terra erguida
Nas plantas e alimárias
Cicatrizes de meandros
desta vida exígua
Lamentos não curam
Labutar enquanto vida somos

Pagamos hoje
o custo dos tempos vindouros
Ó povo meu
Suor e sangue fazem pátrias
Abnegados e convictos
antecipemos o futuro
para que o presente se firme em paz

Félix Siga
Pecixe, Maio 1983

Momentos primeiros da Construção


Nestes momentos primeiros da construção
após o desbravar das matas dos horizontes
não perguntes quem são os poetas
vem comigo e repara bem

Nestes tempos pioneiros da produção
os recém-chegados e os veteranos sejam muitos
a fazer com que radis naveguem
fecundos a terra
e que as ferramentas torneiem e afinem
a engrenagem do processo

Sob estes ventos soalheiros da revolução
que as quedas não sejam definitivas
e que os desfalecimentos sejam vencidos
pela certeza da vitória que amanhecerá
nas frescuras tropicais da madrugada



José Carlos Schwartz
In Momentos primeiros da Construção

Meditação do Tchintchor


Deixa-me esculpir
o teu pensamento
nas barbatanas das brisas

tatuar no peito da lua crisa
com o colar do teu sentimento
o balbúcio das brumas de antemanhãs
colosso d’alegria perpetuar
na aldeia de esperança espreitante

O eco do teu sorriso carregando
o obolum de um palpitar crepitante
sob o qual meu coração se afogando
desvairadamente

Sede bem-aventurados
ó cortesia nupcial
de radis com chuva
torrencial

apadrinhados pela noite em cristal
na reconciliação
da terra ansiosa com o céu índigo

na meditação crucial
do tchintchor


Adão Quadé
Bissau,31.07.99

terça-feira, julho 18, 2006

Venha Oco Ave



(Ao Embaixador João Agusto de Médicis - CPLP)


Verga-se intensivamente a enxada nas lavras de batata-doce
escorregamos finalmente de repente no derradeiro semeio

no meio de tudo onde nimba canta a cultura próspera
há vultos à volta do campo carregados de baques do mocho
a lamentar tristemente a estadia das pragas no punho das foices

O homen da terra trovador da bonança voz de rouxinol - desespero
cai em gotas de luto troveja a dor relampeja a chuva negra - choro
o bombolom num coro similar acompanha o ritual fúnebre - pranto

A língua braços do mar por onde flutuando retira-se ao convento
vem agora na nobre hora a notícia de que a nova da morte
é na verdade a morte - pouca sorte

e venha oco ave!

Adão Quadé
15.04.04

segunda-feira, julho 17, 2006

Silabar a paz



RISCO
na folha
do teu
corpo
azul
pergaminho
desta vida
cerzida
com fios
de tulipa
negra
espelho
que o mago
tingiu
GRITO
com a voz
de pedra
e sinto
os ventos
irromperem
das vértebras
da noite
ASSIM
tacteando
com as minhas
mãos
presas
ao umbigo
da vida
trespasso
a acidez
da loucura
em ponto final
SOLTO
todas
as vozes
silabando
a paz
com acentos
de liberdade.

Tony Tcheka
1981

cai a chuva



Cai a chuva
o verde
inunda os planícies
com as suas nuances de esperança e sorrisos

Os campos da minha terra começam a florir!

Cai a chuva
das choupanas humildes
saem mulheres, homens e velhos
com seus radis e farrapos

Os campos da minha terra anunciam um novo alvorecer!

Cai a chuva
as crianças precipitam-se para o futuro
com seus sorrisos de fraternidade
e ventres nús

Um cheiro de fartura inunda a minha pátria!

Cai a chuva
chamas e tambores da minha África
espantam os deuses da fome
flores silvestre
acariciam a mansidão dos nossos lagos

A minha terra é um jardim multicolor
tatuada de um verde profundo
e de um amarelo soberbo!
Cai a chuva
as manhãs nascem mais tranquilas
com salpicos de pássaros e esperanças!

Helder Proença

sexta-feira, julho 14, 2006

Pasens



Kada ora k' n djubi na spidju di nha konko
flur di marakuja ta rebentan na pitu kur di jaka
estin ku ngarba banui di po-di-kurpu ku nha kama di tchon
turbuseru lan di polon i tustumunhu di nha nsonia

Korson ta flura na djitu di ngorau dimas
diabus ta fika e na kubisan kampada di kerensa
ten pasensa N finkau djudju Dan un kuku di pas
pa n paranta nes lugar ku serenu ta regua ku larma di bela

N labrau dja ku tudu djitu di labradur na blanha di barela
na topitu di mar o na manta di papel branku di mprensa
antu di galu kanta n ta rasa na bu kanternu pa furuta di rasa konkanhi
pa oki sol na bin pidi simola pa i garsidi bu djindjirba di pe di ankol

Ai bu pe rais ku ta da palmiti N ta fasil kola pa iabri nha apititi
ndjata tchuba tambi Pa flur murtcha na nha pitu Nos korson ta firia


Nos korson mandinti ta kai na un sonu manenti di djoto Ten pasensa

Sorriso no escombro


Esperei ver-te assim como estiveste
esperei teu perfume para embebedar
este trémulo silvar de sobriedade
procurando o remédio para o calor
naquelas termas que valsava liberdade

Onde se banhava de sol ardente

Não resisti na verdade
à negrura com que enfeitavas sorridente
aquele virginal pau-carvão
esbranquiçado agora de tanto nevar
- afinal tu nasceste negra ai que pena!

Era morrer duas vezes e renascer
envolto nesta mão aconchegante
teu olhar até então guarda o segredo
nascente
de um sofrer angustiado

Sou feito estátua em cinzas
relvado do teu jardim
resvalado
pisa-me quando te apetecer
mas nunca deixe passar a primavera!

Procurei-te impaciente
perdi no vulto do teu penteado
afinal representavas a pureza
da candura de uma fatal ansiedade

No avalanche só a tua gengiva resistiu
ó ébano das ruínas de Kansala
ainda estás em pé e sedutora

dá consolo ao arqueólogo
semi-banto

teu chão ainda arde
debaixo dos meus pés
latejantes

teu sorriso de diamante
consumiu o marfim que enche
este favo de mel derramante

Sou o zangão a procura da colmeia
dá-me abrigo só para esta estação
neste teu olhar insuportável...

sorriso esplêndido sob ruínas intocável

26.05.2003
Homem de Oliveira Carvalho

Música guineense de luto





A guiné -Bissau está de luto!

A Cultura guineense perdeu um dos seus ícones da música moderna.

Os Tabanka Djaz sem o homem do piano e o "porta-voz" do grupo deixam o Gumbé em estado de coma.

Perdemos - a Guiné-Bissau e os Palop - um dos maiores músicos e porodutores da música moderna africana de expressão portuguesa.

Caló Barbosa cuja producções rodaram os grandes estúdios que sagrou muitas vozes do panomarana musical guineense em especial e dos Palop em geral.

Deus escreve direito mas por linhas tortas... Assim como " bianda sabi kata tarda na mesa", os Tabanka Djaz no período áureo da sua carreira foram abruptamente surpreendido - e todos nós, obviamente - pelo desaparecimento súbito de um dos seus elementos que compunham o quarteto da "djumbai africana" nesta "moransa" grande que se fez "tabanka".

Djambadon não pôde esconder os pesares que a notícia do falecimento do pianista dos Tabanka Djaz fez escorrer lágrimas do fundo do coração de quem da cultura fez estandarte e distintivo da confissão ideológica. Minhas condolência...!

quinta-feira, julho 13, 2006

Djumna-djumna


kadakin
ku si dia di muri
mortu ka ten fin

sin djanti sin kuri
te na pikil
sin dapil

pera inda n'ri

ah ah ah...
sintadu di nkun'a
obulum ka pasanser
ma kadokil ku si dia
i ka ten pupa kikia

B.leza 09.12.01
04:14
Ndongle Akudeta

terça-feira, julho 11, 2006

história


Corremos de esquinas em esquinas
Debelamos as frentes em esgrimas
A esfregar as tenções
Da vida extensa em lençóis

Alma iscada nos anzóis
Caçadas felinas sem sóis
mal olharmos para Aqui
abortamos o ensejo do Ali

Nas frases introdutórias
espalham-se mãos ilusórias
na abordagem do temporal
vimes intemperantes da moral

tecidos ventrais elasticizados
vulcanizados pelas abstinências
hipopótamo acordou desejado

caterpilar a cultivar a selva
desmantelou a reserva
na urbanização
das consciências

Na descultura da decisão
transplante da incisão
a manobra incrementa
a pacificação da pimenta

homem de oliveira carvalho
26.01.01

terça-feira, julho 04, 2006

África Festival 2006 - Lisboa







Um continente de Música em Lisboa
Lisboa, Jardim da Torre de Belém, de 6 a 9 de Julho 2006, 22:00h



Depois do sucesso da primeira edição, o África Festival volta a contagiar a cidade com o som quente dos ritmos africanos. Este ano são quatro dias de concertos

gratuitos, com alguns dos principais representantes das músicas de África. Com duas actuações por noite, o festival vai ter ainda uma “Tenda – Ponto de Encontro”, com workshops, ateliers, actuações e uma exposição

. Jah Fakoly
**************
Os espectáculos da primeira noite do festival – dia 6 de Julho – são de Bonga e Cheikh Lô, dois músicos com formações distintas. O artista angolano radicado em Portugal é o primeiro a subir ao palco, num concerto que recupera os primórdios da sua carreira, evocando os álbuns “Angola 72” e “Angola 74”, que fizeram de Bonga um dos percursores da World Music. Às 23h30, é a vez de Cheikh Lô subir ao palco. Nascido no Senegal, é dono de uma sonoridade que deixa perceber o seu espírito livre e aventureiro, reflexo das muitas viagens que o levaram aos mais distantes pontos do globo. Com três álbuns editados – “Ne La Thiass” (1996), “Bambay Gueej” (1999) e “Lamp Fall” (2005) - este é considerado um dos nomes mais promissores da música africana contemporânea.
No dia 7, Tcheka “transporta-nos” até Cabo-Verde. Cantor e compositor, o músico oriundo da ilha de Santiago, transpõe para a guitarra batidas que, habitualmente, são tocadas com instrumentos de percussão, fazendo parte de um movimento que deu novo fôlego à música caboverdiana.
Segue-se Oumou Sangaré, a grande diva do Mali e de África, e uma das vozes mais espantosas do mundo.
Oumou comenta sobre todos os aspectos da vida no seu país, sobretudo os problemas que as mulheres enfrentam diariamente por causa da poligamia, mas também da sensualidade do amor inexperiente, da dor do exílio, da necessidade de cultivar a terra, e da fragilidade da vida humana. Distinguida com um prémio musical pela UNESCO, Oumou Sangaré tem trabalhado nesse sentido, usando a música como forma de fazer valer os direitos sociais das mulheres no Mali e no mundo.
A terceira noite do festival, a 8 de Julho, é de Djumbai Jazz e Tiken Jah Fakoly, seguidos de after-hours.
Djumbai Jazz, criado em 1990, é composto, entre outros, pelos músicos guineenses Maio Coopé (voz), Sadjo (guitarra acústica e ritmo), Galissa (kora), e Cabum (percussão), radicados em Portugal. Liderados pelo vocalista Maio Coopé, procuram recuperar os ritmos tradicionais da sua terra natal, a Guiné-bissau, como o N’gumbé, Djambadon e Brocxa, esperando-se uma actuação vibrante, que promete contagiar o público presente.
Segue-se Tiken Jah Fakoly, figura de proa do reggae do oeste africano. Oriundo da Costa do Marfim, é conhecido pelo seu activismo político e ritmos contagiantes, que não vão deixar ninguém indiferente.
Jah Fakoly
Sábado irá prolongar-se com a “noite afro-blue”, um after-hours animado pelos DJs Johnny, Lucky e LadyGBrown, dj’s residentes do Bicaense.
O encerramento deste evento, a 9 de Julho, cabe à zimbabueana Stella Chiweshe e aos moçambicanos Eyuphuro.
Com o cognome “Ambuya Chinyakare”, que significa “avó da música tradicional”, Stella Chiweshe é a única mulher do seu país a liderar uma banda e a interpretar mbira, instrumento tradicional do povo Shona, associado à magia e proíbido no Zimbabwe antes da independência. O seu trabalho a solo qualifica-a como uma das artistas mais originais do panorama musical africano, através de uma fusão entre música popular e guitarras contemporâneas.
Zena Bacar e Issufo Manuel são as vozes que compõe os Eyuphuro e são os últimos a pisar o palco da Torre de Belém, depois de uma extensa tournée que comemorou os seus 25 anos de carreira. Acompanhados pelo cantor Ali Faque, que integrou recentemente a formação, trazem na bagagem os ritmos dançáveis do Afropop, género do qual foram percursores no seu país.



Para além dos concertos a decorrer no palco principal, o festival conta ainda com uma Tenda – Ponto de Encontro, no relvado da Torre de Belém, onde vão decorrer diversos workshops/ ateliers, actuações de música e uma exposição.

Maio Coopé
Programa
Dia 6
(Angola) Bonga
(Senegal) Cheikh
Dia 7
(Cabo-Verde) Tcheka
(Mali) Oumou Sangaré
Dia 8
(Portugal / Guiné Bissau) Djumbai Jazz
(Costa do Marfim) Tiken Jah Fakoly
Dia 9
(Zimbabwe) Stella Chiweshe
(Moçambique) Eyuphuro

quarta-feira, junho 28, 2006

CONTRIBUTO NOTÁVEL


Por: Fernando Casimiro (Didinho)
25.06.2006

Apresentação do site www.bissauinvest.com

Inácio Bintchende, um cidadão guineense radicado na Eslovénia surpreendeu-me pela positiva, com a concretização de um projecto que verdade seja dita, não é fácil de realizar de um momento para o outro devido às dificuldades na obtenção de dados estatísticos sobre a Guiné-Bissau, por forma a suportar um projecto destinado à captação e promoção do investimento estrangeiro na Guiné-Bissau.
Em finais do ano passado, Inácio Bintchende deu-me conta dos seus planos, pediu-me informações sobre questões relacionadas com o investimento na Guiné-Bissau.
Inácio Bintchende avançou com o seu projecto, criou a empresa (GBI, LDA; significa Guine-Bissau investment) na Eslovénia e abriu uma delegação em Bissau.

GUINEA-BISSAU
GBI, L.D.A. Rua Vitorino Costa 46, 1º esq. (Novagráfica) Bissau, Guina-Bissau Tel.: +245 665 68 48Tel.: +386 1 564 23 06 (EU) Cel.: +386 41 243 825 (EU) EUROPE
GBI, L.D.A.Ljubljanska cesta 12F1236 Trzin Slovenia Working hours: Monday - Friday: 9 a.m. - 2 p.m.Tel.: +386 1 564 23 06 Fax: +386 1 564 23 06Cel.: +386 41 726 564 http://www.bissauinvest.com

Numa mensagem recente que me enviou, Inácio Bintchende dá conta do seguinte:
"Já estabelecemos a empresa na Guine-Bissau (GBI, LDA; significa Guine-Bissau investment).
Já estamos a promover investimento aqui na Eslovénia e vamos começar já com os estudos no domínio da agricultura, concretamente indústria de castanha de cajú e também em relação ao sector do turismo."
Parabéns Inácio!
Uma iniciativa notável sem dúvida, que merece encorajamento!
A Guiné-Bissau precisa do CONTRIBUTO honesto e positivo de todos os seus filhos onde quer que se encontrem!
Ao Inácio Bintchende e seus parceiros os meus votos de sucessos para o projecto que, pese embora ser de âmbito empresarial privado ter tudo a dar a ganhar ao nosso país!

http://didinho.no.sapo.pt




"A vida só tem sentido se, para além de nós, outros também puderem viver..."
Fernando Casimiro (Didinho)


http://didinho.no.sapo.pt

http://guinebissau.no.sapo.pt

-----------------------------------------------------------------------------------------

sábado, junho 24, 2006

Avaria técnica.... perdão!


Quero pedir desculpa aos meus caros leitores pela forma involuntária que alterou a estrutura confeccional do meu blogue. Isto porque queria no máximo partilhar convosco os desígnios do meu pensamento em versos. Só com o verso (e através dele) chegamos a um entendimento harmonioso e mútuo não obstante a distância e as diferenças que norteiam os nossos princípio ético-moral, desde que confessamos de qualquer modo um sentimento comum que não só é propriedade de quem o concebeu em palavra. Labor do poeta. Um simples dever humanitário.
O resto é só pedir desculpa a todos quanto as avarias no sistema informático, alterando o formato dos textos tornando insípida e fastidiosa a leitura e o deleite dos versos inscritos neste blogue, deixaram transtornados e privados da fruição plena das frutas colhidas no quintal pertencente a geração.

as minhas desculpas!

quarta-feira, junho 21, 2006

Ngumbe


N bua na pena di sukuru
pa bai mati kebur
na moransa di tchon-tchoman
kandia di didia mpasman
n burgunhu lunghada
ku panhan tchai
na kamaradia di sukuru medunhu

Mursegu gatu-pretu - lompam di menoti
n odja finadu n tchomal di meletcho
n kumbidal manxida na baxada
n odja Fengueto n saudau dembo
kasisa n sanal kuma mimi-saia

N kanta galu fuska-fuska
na prasa di siminteru
jardin di lakakon
flur di nha kundenka
n ta rabola na tumbulu
di nha mosidadi

Polon di Brá soronda na nha pitu
rumursu di nha pubis na regual!
sur di kombatenti
n kadjanta obulun

n toka siko ku aka
tambur ku bumba
n badja tchintchin na mina

siti riba dja pa Pisis
labanka ba Bisalanka
santchu rapada si po

N amiga ku sukuru
n burgunhu lunghada
n diborsia ku ratina di sol
Didu me ... i nha kumbosa
di djidiundadi
na Kanta Po na Gan-Palas

Ndongle Akudeta
DK 27.o4.99

terça-feira, junho 20, 2006

Fanadu di Djinton


na kal burdu ku no na singa
si mare na larsi pa djiba
no para no sugta kantiga di mar
no panti no djubi antu di no basamar

Urdumunhu i sakala na blama di bas
lingu di baka i fitu di panga kabas
oredja di purku bas di bumbulum
na bidjini bon kombersa
i uatcha-a-catcheu

No mundu farinha di siti malgos
pa neni sardia di kantakos
na dispidida di penghana
nkonkanabaka na bisalanka
i djumna-djumna na un pas kunfus

pe ku fidi lifanti ninguin ka odjal

Ndongle Akudeta
11.03.01

Ode a Thiès



Onde mora o sofremento
a inspiração se acalenta
o fogo em condimento
tempera a garganta

por debaixo das cinzas
arde o fogo coagulado
em chamas da revolução
Adão Quadé -Thiés 98

****
A monotonia das esteiras
sepultaram o meu corpo nas estrelas
com as cadências báquicas de gafanhotos
acordei imune a todas as lamentações

conspirei os dados na torre das bênções
brisas assobiando o hino nas acácias
silenciaram o meu envolvimento por votos
no tumulto sacudido pelo buzinar do comboio
guardado pelos embondeiros nas linhas férreas

Thiès mulher honrada mãe de duas mamas
árvore protectora das longas raízes africanas
mereces descansar no íntimo do meu sonho
Acolhedora nos teus gestos fora de hora
vejo-te trabalhadora incansável a cultivar
harmonias nas paredes das tuas entranhas
onde em grãos de centeio semeei um verso

na nuca do vento a mensagem é toda poesia
que se imprime nas mantas cinzentas e no gesso
que embrulham as almas inflamadas pelo regresso
as tuas ancas de antílope desenham a estética em envelope

e o leite que se bebe no copo é sangue em arrepio
profissão do baptismo a redenção dos mortos
alistamo-nos prontos ao tinir da sirene na oficina da vizinha

Abre-se a porta e marchamos sob o apito do Kayor
e o sol nos guiará na linha do progresso. Está calor!
espalham-se os cravos nas manhãs da emancipação
e brindamos com a tua lição em nome da geração

Adão Quadé
23.04.2002

20 de junho Dia Mundial do Refugiado



"Não há maior dor no mundo
Que a perda da sua terra natal
"
Eurípedes 430 a.C.

****
Guterres envia mensagem de esperança a refugiados

Nunca perder a esperança. É esta a mensagem que o alto-comissário da ONU para os refugiados pretende transmitir aos milhões de pessoas forçadas a abandonarem as suas casas um pouco por todo o mundo.

Na sua mensagem do Dia Mundial do Refugiado, que hoje se assinala, António Guterres sublinha a coragem e tenacidade destas pessoas que, apesar de terem perdido tudo, recusam baixar os braços.

Em comunicado divulgado no site do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Guterres reafirma a necessidade de encontrar uma solução para os 20,8 milhões de pessoas sob protecção da agência que dirige, 8,4 milhões das quais são refugiados. Para o alto-comissário, a prioridade passa por criar as condições de segurança necessárias ao regresso voluntário dos refugiados aos países de origem. Quando isso não for possível, estes deverão ser integrados no país de acolhimento ou encaminhados para um terceiro país.

Assinalado pela primeira vez em 2001, o Dia do Refugiado é este ano subordinado ao tema "Esperança". Numa mensagem gravada na Namíbia, a embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, a actriz Angelina Jolie, sublinhou a necessidade de recordar o sofrimento dos refugiados, sobretudo mulheres e crianças.

Para hoje estão previstas inúmeras iniciativas. Em Genebra, na Suíça, onde está sediado o ACNUR, os edifícios públicos serão iluminados a azul - cor da ONU. O mesmo acontecerá em Camberra, na Austrália. Outros países assinalam a data com festivais de cinema, concertos ou competições desportivas.

Segundo os dados do ACNUR, o número de refugiados entrou em declínio nos últimos anos, contrastando com o aumento dos deslocados. No final de 2005, existiam 8,4 milhões de refugiados, o valor mais baixo desde 1980.

No ano passado, regra geral, todas as regiões registaram uma diminuição do número de refugiados, com excepção da África Oriental. Uma tendência que se fica a dever em grande parte ao conflito no Darfur (ver páginas seguintes) que, desde 2003, provocou pelo menos dois milhões de deslocados.

Nas últimas semanas, a situação na Somália tem causado grande preocupação. Com perto de 400 mil refugiados - fruto de 15 anos de violência e anarquia -, o país enfrenta a ameaça de guerra civil. A tomada da capital pela União dos Tribunais Islâmicos, no dia 5, veio acender os receios de confrontos entre islamitas e forças do Governo provisório.
Ontem, Guterres alertou para o perigo de um conflito poder levar centenas de milhares de pessoas a procurarem refúgio nos países vizinhos.

O ex-primeiro-ministro português viaja hoje para a Libéria, onde acompanhará a chegada de um grupo de refugiados vindos da Serra Leoa. Tendo abandonado o seu país para fugir à guerra civil que se seguiu ao derrube de Samuel Doe pelas forças de Charles Taylor, os primeiros liberianos começaram a regressar após as legislativas de 1997, mas rapidamente perceberam que o país não estava preparado para os receber. A Libéria tem agora a oportunidade de provar que aprendeu com os erros do passado.

Apesar de África ser o continente com maior número de refugiados, o Afeganistão continua a liderar a lista no que se refere a países. Palco de violentos conflitos ao longo da sua história, o Afeganistão viu grande parte da sua população procurar refúgio nos países vizinhos. Desde a intervenção americana e o derrube do regime talibã, em 2001, muitos regressaram, mas 1,9 milhões continuam à espera de regressar.

O mais grave caso de refugiados continua a ser, porém, o dos palestinianos. Entre 1947 e 1949 (ano da criação de Israel), cerca de 800 mil foram expulsos das suas casas. Hoje, são mais de 4,2 milhões dispersos pelo mundo. Um número de tal forma elevado que levou a ONU a criar uma agência especialmente para eles: a UNRWA.

Helena Tecedeiro
http://dn.sapo.pt/2006/06/20/tema/.html
Quem pode ser considerado refugiado?

De acordo com a Convenção Relativa ao Estatuto de Refugiado, um refugiado é uma pessoa que "receando com razão ser perseguida em virtude da sua raça, religião, nacionalidade, filiação em certo grupo social ou das suas opiniões políticas, se encontre fora do país de que tem a nacionalidade e não possa ou, em virtude daquele receio, não queira pedir a protecção daquele país..."

O principal instrumento internacional do direito de refugiados é um tratado com quase 50 anos cujo Protocolo entrou em vigor há quase 3 décadas. Durante este período, as causas dos fluxos de refugiados alteraram-se e, nos últimos anos, têm-se caracterizado principalmente por guerras civis e violência étnica, tribal ou religiosa. O ACNUR considera que uma pessoa que foge da guerra ou de situações com ela relacionadas, cujo Estado não quer ou é incapaz de proteger, necessita de protecção internacional, devendo ser considerada como refugiada.

Calcula-se que existam em todo o mundo cerca de 21 milhões de refugiados, dos quais 12,6 milhões são refugiados dentro dos seus próprios países de residência, em lugares como Darfur, Uganda e República Democrática do Congo, etc.
Entre as populações mais apoiadas pela ONU-ACNUR, destacam-se os afegãos (2,9 milhões), colombianos (2,5 milhões), iraquianos (1,8 milhões), sudaneses (1,6 milhões) e somalis (839 mil). (Dados referentes a 2005, ACNUR).
para mais informações sobre
Convenções relativas ao Refugiado e o seu Estatatuto consulte:

Convenção da OUA

segunda-feira, junho 19, 2006

Kudadi na kasa-garandi


Kurpu ndjitadu na tagua
djalidjali na tchikini tina
bas… bas…

sintidu ngarba ku kurpu di fitu
kudadi i na bambaran
ku na podrisi

Homi di kasa na tchalasia na kasadia
kuma gustu di kerensa
i mudju di kasa-dus

Na kasa-garandi
kuntangu
i kumpadri di dona-kasa

dinheru di fera i sigridu na kaneka di mankara
pa ngoda un-tiru na stangu di padida nobu
son mundu si soda ku pudi tustumunha

Kurpu sin sintidu
tina ndjita tadju
bas bas bas

djaldjali barsa
kudadi
di dona-kasa

Ndongle Akudeta
15.11.05