terça-feira, novembro 26, 2019

Murmúrios das acácias


Alma alada no transtejo

tempo afogado na bajulação de um beijo
murmúrio das acácias inquietações do vento
história reescrita em versos estranhos
sincopando o fio da narração
com a navalha de pedra polida
em voz do desencanto

na solidão solene
aceito o convite à deambulação
percorrendo a longa avenida
deixo a poesia na estação
para marcar o anseio
de uma velha paixão

na alameda do tejo
escrevo com a tinta da brisa
nas curvaturas lineares das ondas
o desejo de um beijo teu

almada
alma alada
no Transtejo

na alameda do tejo
inscrevo o meu desejo

já não viajo a lisboa
há tempo (e nunca de lá saí)
perco sempre o ferry-boat

o poeta é intemporal
e o teu amor vendaval

amanheço no porto da eternidade!


Adão Quadé
Almada, 02.10.06 03:30

Karnaval


Maskradu
suma katcher
ku ntola na lama
di pindjiguiti

n bisti kuru
di lagartu bedju
kaskabelu na pitu
korson na manda lata
kuma « ntrudu
n kunsi bu dunu »

n modja tchopot
suma kufu di sal
n medi sai fora
pa borgonha
ka tisinan dinti

n miti bulanha
piskabalu puntan i ke
- Kon ku nghunhi seu...

Karnaval rapasa
ku mon-di-timba
karna ndjuti val
kuma dapi di modja garganti...
ku fadi pa darma Nimba

n magina bu tadju
na latchi kurpu
na badju di Kumpo
suma Ndjimpol

n lembra Kamatchol
ku ta gasidjan po di kurpu
na badju di nalu

ma aos Iangiang
ku ten banu
padiru di kuarti
ku na midi kaparu
ku nha testa di bodi

n tchora banda
ku nha dona tisin
n tchoma Koni i lundju!


2005-02-07
Carnaval em Bissau
Adão Quadé


Poesia Aololo


Poesia aololo
noiba di gatu
ámen

mandrugada
para boka
pa bibi sumu
di urbadju

liti di lunghada
masadu
ku foroba
di sol

Poesia aololo
noiba di gatu
ámen

Ndongle Akudeta
2006

Kebur

n djumna tchon na kumura
n pabi lugar na prabis
labur di midju na bula ka munin
pa n pudi paga nha kinhon!

n sumia manfafa na mansaba
n uaga mpampanna farin
n monda kampada di mankara na kasamansa
pa n pudi paga nha kinhon!

Nha ermons ku gasidjadu na TCHIÈS
bo seta nha mantenha -
mantenha di nha púbis!
alanu la suma Deus kiri
inch’aláh… Deus ku ta bananu
i kubrinu es koresma ku si manta sagradu
KI NOBA DE BOS - AI… NDESAN!

KEBUR n puntau tambi
n mola dja nha NGHOROTO n na pera
n misti botau mon

BUMBULUN tcholonan di lundju
kuma es LUNGHA ku na djimpini tapada
i KANTA-PO na tchon malgos
n misti badja KUSUNDE na bisau
n disdja no NGUMBE


Ndongle Akudeta
Ziguinchor 02.sept.1992

quarta-feira, agosto 01, 2018

MBLUDJU



Vinti kilu di versus
k n karga tip na vow di tap
di lisboa pa bissau 
na mbludju tchomadu strofi


Mpasa frontera n finta alfandika

nkumenda tchiga distinu pubis
alan sol mansi


Bissau korda moku
na tchebeta roku

di un tuku di ronku

Poeta ku kamba osianu
bin ku urdumunhu di paranu


Paransa Guine di otranu

Kintal di beltranu 
gos i ka ponta di mangaflanu


Figakanhota kunfentu di 98
Polon tisin lan ku mankurbat di kessenkessen
liti di poteris
mparia di lunghada odjadu didia uan



Ndongle Akudeta

6/01/2018


Menina do fim do Mundo



Menina do Fim do Mundo
de olhos castanhos e profundos
gatos no telhado embriagados
celebram em serenatas a tua beleza

Rouxinóis no pinheiro de madrugada

cantam a nobreza da tua feição
a natureza te concebeu imitando
o carvão da lenha queimada em Geta

A escrita do teu corpo - meta da ficção

andar senhorial seleccionando a terra
a sinfonia do teu calcanhar - 
a magia da tracção a romper
o ventre ferraz do solo

Campas de ervas mortas

as minhocas veneram a tua moleza
tchintchor na tribuna: - seca era!

Menina do fim do mundo de olhos

castanhos cântaros de água doce
rendido em gleba brota em mim
rosas vermelhas e em fevereiro
faço anos e acordo no teu jardim
na esquina da rua catorze creio

para que tu me acolhas no teu bouquet

para que ao entardecer o aroma que murcha
entre as corolas de malmequer e jasmim
espraie no teu sonho o limbo
do meu suspirar vetusto
no São-Valentim ao longo da soirée

Adão Quadé 27.04.05

Solstício

*



Nasce a bruma da manhã
ainda estou a desdenhar
o mundo pedalando
num sonho embrenhado
nessas profundezas vãs
esfregando as folhas verdes
na busca das velhas cores

A luz do sol arranhando

no outro lado da janela
a escuridão lenta é mais viva
no desvanecido sonho ornado
de papoilas vermelhas

Sinto um arrepio tremendo

rebolando em queda estática
lá bem longe do começo
vindo do terminal do sufoco

E o grito do atrito não poupa

a claustral vaidade dos ouvidos
dobram os sinos da capela
apelando ao chilrear das aves
levanta o fogo ao pé de mim
enquanto gozava a lua de mel
num convento velado pelas chamas

Carregando a cruz da pura inocência

prostrei-me envolto na maca do hospital
soros e oxigénio desvirtuam a impaciência
curiosamente gemi: onde estarás
ó loucura da noite fatal ?!

Adão Quadé
Agosto.03
04:30

Poetare (Manifesto I)



Municiar o alto da alma
Com bombas crepitantes de ar
Gritar na surdez com tanta calma
Na tentativa de um homérico assalto
A muralha das palavras

Camuflar no fio de cabelo

O contingente do verbo
(Léguas ainda há de lavrar !)
Com engenhos luminosos do acervo
Tonificado com sons do silêncio

Pois a frente do combate

É um emaranhando de escuridão
Bolsas de rimas a desmantelar
E transportar às costas
Os versos com pernas feridas

Marcha triunfal com polegar

Bailamos enquanto dissolve a chama
Comprimida em luar efervescente
Chove canção alada estilhaçada
Desabrocha a flor no peito

Untamos com o pó das sílabas

Do vento a assobiar de lente
E aquecemos o sangue exangue
Com o néctar da madrugada em lavas

Embriagada com suor vacilante

da noite desnorteada vigilante
Em honra das vozes suicidas

18-03-2003 2:17:15
Adão Quadé

Sextas Poéticas



Sextas de tabuada
de aritiméticas e de matemáticas
Sextas do ditado da redação da gramática
dos verbos  da história e da geografía
Sextas são sextas!

Sextas de festas
de fim-de-semanas de bebedeiras
Sextas de longa sestas, de namoradas, de amigos e companheiros
Sextas de homens sem mulheres
Sextas de mulheres sem homens
Sextas livres e de alegria - happy day  sexta-feira!
Sextas de pouco trabalho (até ao meio dia...)
sextas de folga,
Sextas de piquiniques, de mandjuandades, de manxidas,
Sextas de conta-mentira...

Sexta é sexta
Viva a festa!

Festejamos a sexta com poesia
Sexta de palavras em festa
Sexta de palavras mansas dóceis e melancólicas
Sexta de palavras tortas e confusas e ardentes
suspensas em versos desgrenhados com penteados difusos
ostentando a percepção da luz opaca do instante

Sexta de brincadeira com coisa séria
Sexta do distanciar do distrair-se e do deleitar
Sexta da pertença e da afirmação
Sexta do labor da colheita e de djambadon
Sexta de fundinho e dala
De  balur de homindadi bistido ku lope di djidiundade

Sexta é sempre sexta para quem não é vespa
Hasta la proxima siesta!

Adão Quadé
17. 12. 2016

sexta-feira, julho 27, 2018

Trampolin

















N sinti bu tcheru
na bentia
na fuska-fuska

sol reman
bofotada tok
n tchantchan'i

n buska sombra
pa diskansa
n nkunha kabesa

na turbuseru
di bu ombra

sur di kangaluta
bagana forsa

pa yangasa bu bis
bu garganti
i trampolin

djiu

ki kudadi ba
pa kamba
gos ka pirsis jangada


Ndongle Akudeta
25.06.0312:05

quinta-feira, julho 05, 2018

Ode à Engomadeira



Engomadeira
exercitando
o contorno da nádega

Na antecipação
da execução
do corpo da música

Emaranhada
em lianas de ritmo
da dança
inconcebível


na harmonia da luz interior
um retalho de lua
na mesa da madrugada efervescente

a lisura da alma
ondulação tranquila da mão macia
no leito da ignição motora
do orvalho
incandescente


Adão Quadé
*****




uma música indecifrável
no alto de um bairro intransponível

já fui rei numa noite infindável
coroada de loucuras e fantasias

fui sim mais que real surreal
transitando na órbita
da melodia
melancólica do fumo
etílico

ressuscitei neófito
com bengala mágica
da auto-flagelação do espírito frontal

preciso silêncio na hora fatal.
música...aurora...carnaval!


04.12.09
A.Quadé

terça-feira, abril 03, 2018

Confissão II


(Ao visitante anónimo)

Não tenciono nunca mais andar despercebido na rua
quando as pessoas tencionam apontar-me o dedo
não sou nada de especial nem algo doutro mundo
sou alguém que erra que falha ao encontro
e muitas das vezes não atende o telefone
esquecendo que tem um amor por outro lado da linha

confesso que muitas vezes falho à promessa
já não viajo há anos e o meu coração está a arder
tenho hectares de roseiras para colher nesta primavera
e estou a colher frutas da vindima na quinta do vizinho
canto o amor antes das cerejas amadurecerem
e no pleno inverno faço de rouxinol causando pânico
antes da madrugada abençoar a fruta madura

Estou só antecipando a solidão que me empalidece
tenho medo de perder um gesto que herdei do além
voo sozinho nas noites longas sem sono a definhar
no muro do meu pensamento longínquo a mercê
da luz que constipa o sonho de um dia trilhar na vida

tenho medo de um dia não poder voltar a ver
como de costume a manhã a desfilar na silhueta
da aurora teu olhar de girassol beiço da amora
lis crisália aroma ébano do corpo macerado
com o leite do coco iridescente dos teus dentes de mel

na tamanha agonia peito calcinado coração recalcitrante
rolo na cama de esquerda para direita não consigo
encontrar a saída do labirinto vento cuspindo
veneno do querer amordaçado

com o fio nylon de uma paixão distante


Adão Quadé
06:13 29.03.06

segunda-feira, março 28, 2011

djitu ka ten



djitu ka ten


sodadi
di benten

metadi
di nha vida
na kriason

te gosi
n ka paga
dasa

ninguin tan
ka dan
tasa

n mpinha
nha kabesa
na sivilizason

sin djubi
pa rasa

n disdangu
nha korson

pa ben
di djorson


29.05.08

04:30

Adão Quade

Mentu


mentu


sol
na badju
di tina

kerensa

di lunghada
tras di tapada

na diskubridu

wan

kurpu

di kabas

korson molsidu


na tanki

di iagu
malgosadu

ku limbida
ritmadu

poesia

na tchebeta pa bin

Adão Quadé

25.05.08


tchon

ku seu


strela

ku

lua


na no metadi


no findi

kola

podri


pa mandji

no

kerensa


deus i garandi


polon

i tustumunhu


urdumunhu

ruba

di si kabesa


Ndongle akudeta

22.02.2008