segunda-feira, dezembro 10, 2007

cântico magistral



não há maestro
na vida
sem perfumes



a luz da euforia
é tida
como estrume



a voz rítmica
do canto
erigida
em azedumes



o lume da palavra
condensa-se
em espada
sem gume



ergamos o rosto
e abracemos a madrugada
com suor da lavra


sem ciúmes
da magia do sol
renascente



a.quadé
07.09.07

Mbelembeletcho


balansa kaneka
palpitason
di lungha nobu

sangui meladu
kondjeladu
na garafa
du un beju bedju

badju di kumpo
kurpu na kotchidu
na pilon di kiriason

benson di flur di tautau
tataruga
na katembunda
mbelembeletcho!
07.12.07
Ndongle Akudeta

Rabata-rabata asumulele


salus di alma bafadu
rabata rabata silens
garan di suris
saran porta

gota di larma
pinga-pinga
mela-meladu

parmanhasedu
urbadju pegan kamaradia
korson mara lens

sintidu bai lumu
kudadi marka-makadu
muntu muntu
baratu-baratu

rabata-rabata
asumulele

Ndongle Akudeta
o2.12.o7

segunda-feira, novembro 19, 2007

Rekadu di Kikia




di kuma
kil alma
ku padid
u
mortu

i torna
muri mas bibu
i na ramanga
na moransa




Por:
António da Costa
Aretch Thiès,

segunda-feira, novembro 12, 2007

Advento

finalmente
chegou o advento

predito

nas folha mortas
pisadas

pelos calcanhares cavalgantes
do tempo

adormecido

o tempo submeteu
à ordem
do verbo

caminharei sim
hirto e de cabeça bem erguida
rumo ao horizonte

não abdicarei nunca
da dávida
ancestral

a tocha mágica resplandeceu
no firmamento
do meu pensamento

chegou a hora guiné mater mea
aceita no teu colo
as lamentações

do teu filho pródigo

um dia
desterrado
num choro abafado

pelo rufar do tambor
da iniciação

na alameda das iluminações
na madrugada de nevoeiros
serenando em rosas
lambi a nata da anunciação

(embreaguei-me
com cálice das premunições)

24.09.07
Adão Quadé

terça-feira, julho 31, 2007

Kariem sila

Silêncio! Quero aqui chamar a atenção de todos, para a fruição conjunta do sabor poético engenhada na forja visceral do jovem guineense de 22 anos cujos versos as musas prometeram vigiar com doses de palavras encantatórias recheadas de sentimento sincero e da pátria desfraldade no distanciar e na força pujante da nostalgia.



Justificar a tua ausência

Sinday a única coisa que preciso
é do teu carinho
mas embora longe
não consigo deixar de te amar

Cada noite é um sonho
e cada dia é o começo
de um novo amor
só sei que um dia chamar-te-ei
e tu serás eternamente minha

Eternamente tu meu amor
o tempo somos nós,
tu acabas dentro de mim
e és tu o meu tesouro
a minha linda jóia africana

Não há passos divergentes
para quem quer encontrar
um verdadeiro amor
com o sabor de saber amar

O impossível seduz o meu coração
e a sedução só o tempo a definirá
e deixarei que ele também o devida.

quinta-feira, julho 19, 2007

Interregno

Tenho estado (do lado de) fora, longe de todas as manifestações qure têm marcado o panorama socio-cultural ou intelectual referente a temática do guiineense no que diz respeito ao ser e o seu pensamento como membro da comunidade existencial do universo em que fomos agraciado. Isso justifica-se por razões de ordem técnico-material. O que não quer dizer que não tenha meditado sobre a atmosfera sob o qual eu respiro. Pelo contrário, estou-me intensivamente implicado na arte de "agradar os irans",como diz o Félix Sigá...

A POESIA



A poesia
É como uma fantasia
A verdade de cada linha
Parece só minha,

A expressão é como uma ditadura
Cada um por si
Por mais que dura.
Chama-me Guineense,
Dá-me a liberdade,
Canta-me o gumbé,
E fala-me a verdade

A poesia é uma arma
Que sem temer mata a calma
E sem hesitar tira a alma
Como o relâmpago na árvore

A poesia é a expressão
Da força da emoção
Da liberdade de uma voz na solidão
E faz de mim um cidadão

A liberdade é a realidade,
A consciência é a pura verdade,
A pátria é uma mãe,
A poesia é a arma da injustiça
Aonde cada verso é uma esperança.

Kariem sila

segunda-feira, maio 14, 2007

Confissões




na festa entre mil e umas
confesso-te a nua e crua realidade
representaste a pedra preciosa
almejada pelo meu coração

És a safira, os teus dentes de diamante
o teu sorriso de rubi
exposta no altar da minha alma-mármore

És a princesa da noite de fadas
quero aprender a magia do teu encanto
maravilhoso

vem princesa minha vem
vem iluminar o meu espírito
és a luz a guia
a estrela cintilante
do meu sonho transversal
14-05-2006

terça-feira, março 27, 2007

Jogo Amoroso


Quando te vi frustrante
no écran do meu peito

protestante

o ponto de fuga com fundos
em quadradinhos projecta
um corpo que balança
numa mística dança

balanta

o tum-tum do tambor coroa
o majestoso perfil de atleta
numa pista

deslizante

em que o teu gesto se levanta
acrobático em bambu
a declamar
a tua firmeza de onça

quando estás atrapalhada
sinto a tua garra a massajar
o fio da ignição
que dentro de mim
repousa

relaxante

e despoleta
o lobo vático
numa explosão de intemperança

estrela

posa bela
para este peito-objectiva
com aquele teu olhar

catita que encanta

cativante


13.04.04

Adão Quadé



é desgracioso esquecer-te
naquela manhã de nevoeiro
em que acordaste

no meu peito sem jeito de obreiro

senti o teu cheiro pós-natal
inebriei-me desnorteado
os passos me desfaleciam

e achei-me mais animado

sou tão ingénuo. afoguei

nos contornos do teu carinho
como que criança numa baloiça

encontrei o meu caminho

e num cadinho peço o vinho
e o sabor é todo a tua fragrância
inspiro-me nos teus olhares de queijo

e perco toda a ganância

sou um simples pastor

deixo-me guiar pelas tuas pegadas
não me importa a luz do dia

as tuas pernas são esplêndidas e radiantes
posso perder o voo a descortinar

o enigma do teu calcanhar descolante

como o flamingo a festejar
o sucesso de uma madrugada chuvosa
levo comigo a areia do solo

que tu pisaste naquela manhã chorosa

01.04.04
Adão Quadé

quinta-feira, março 15, 2007

sexta-feira, janeiro 12, 2007

Djiu sin nomi / ilhas sem nome



Djiu sin nomi

Nha udjus
Djiu sin nomi
Makare ku na ronka si forsa na mar
Maré salgadu
Sin bida

Nha udjus
Udjus sin nomi
Ku kapli pa bai punta
Kilis ku na findji ka sibi

Nha udjus – no udjus
Djiu sin nomi
Na kalabus di mons di dedus
E na sindi
E odja utru udjus
E ka fia osis semprenti
Ku karni larga
Ku na djimpini

Nha udjus
No udjus – udjus di tudu djinti
Djius sin nomi
Ku bida
Udjus ku na purfia


Ilhas sem nome

Meus olhos
Ilhas sem nome
Maré-alta a transbordar no oceano
Ondas salgadas que insuportam o acordar
Vazias de vida

Meus olhos
Olhos sem nome
Precipitam e atentam
Contra o impávido

Meus olhos – nossos olhos
Ilhas sem nome
Aprisionado pelas mãos pelos dedos
Soltam raios
Reconhecem outros olhos
E inacreditam esqueletos ousados
Abandonados pela carne
Espreitando

Meus olhos
Nossos olhos – todos os olhos
Ilhas sem nome
Ganharam um nome
Passaram a ser
Olhos-que-já-não-acreditam

Odete Costa Semedo, Ente o Ser e o Amar

sexta-feira, janeiro 05, 2007

E não te chamas Cristo



Tens o crucifixo de muitas chuvas
cravado na palma da mão
com que matizas a terra
em tempo de kebur

Tempo finado
tempo fincado no peito da dor
disputando a sobra do cuntango

Tempo enlutado
tempo anoitecido
no entardecer da esperança

Na curvatura
do tambor
onde expias o desespero
fizeram do teu corpo sepultura do medo

Negam-te o pedaço da tua tabanca
dão-te uma vida assalariada
taxam-te uns tantos por cento
para a sobrevivência autorizada

e não te chamas Cristo
e só pregas com o arado

Cantchungo, 1995
Tony Tcheka, Noite da Insónia na Terra Adormecida