segunda-feira, maio 29, 2006

un Tchuba na mis di Maiu (aniversário)

a Ndongle Akudeta

Idadi na bai dja
tchuba na flakan
ma "n na nega bedju"

gatu fiu na ngatinha
tempu ta dispidi bias
i ta ndjarga tras di kasa

ma sinku kilu
i puku
ku ta nansi djemia

n kai tchuba tchon purmeru
pa ndunsia kinoba di seu
na fuska-fuska lungha na tchebeta
paki ke ku lingron nghuninghuni
na mar - alan mankanh sibilbadja

n na ramenda noti
na si tudu koldadi
pa ba rena na moransa di sol
ami i di djorson di Akudeta
suma Sundiata o Keniata
Si di baka ka rukudji na koral
sol ka ta mansinu kila no djurmenta

paki n sibi son kuma
nha dia di muri i duspus
di odja ku n padidu
na mis di Maiu
kontra noti na kamba

Adão Quadé
29.05.06

Aos aniversariantes






A todos os que nasceram nesta data
meus parabéns

Feliz aniversário!


faço anos hoje
é mais uma primavera que se repete
um dia qualquer igual a todos os dias
em que festejo um aniversário
quero partilhar comigo esta data
afim de lembrar que para além de mim
há outros eus mais dignos desta data -
para além dos mortos
pois os mortos também festejam o divórcio perpétuo com a vida.

A.Quadé

domingo, maio 28, 2006

Sodadi*


Me-noti, silensiu na rena
na kambansa lundju di djiu
urdumunhu tisin somna di djumbai di nha pubis
lembransa purbita pa rendan korson

Sodadi...

N djubi n ka odja , tudu stan stranhu
na brankisa di iagu di djinti
na udju sardia na lembransa
ku nha sintidu mbosa
n disdja no kode

Sodadi...

Ai mar brabu
ai seu iguista
bo leban nha fala pa nha pubis obi
pabia n disdja no kode

Sodadi...

Sodadi di djorson nobu ku djidius na kanta
sodadi di djorson ku pubis na tchama
sodadi di djorson
ku na nghatinha ku pasensa

sodadi...
Sodadi sin fin di nha tera nobu


*Nelson Medina
in Sol na Mansi, PIIC, Bissau,2002

sábado, maio 27, 2006

Ku djitu di suguta



suguta

i ten un kusa ku raiu skirbi na seu
n falau - suguta kombersa
ki ka son di udju odja pa i lei
ma di obi pa ntindi

ku e tchuba ku na kai ku djitu
di misti laba sukuru ki noti bisti

Fartura garandi ku na bin
fartura na boka di kada radi
(di kada daba di kada ntchada)
ku na buska tchon gurdu di no tera

suguta son - n falau
de kombersa ku raiu skribi na seu

Zé Carlos

Antes de Partir

JOSÉ CARLOS SCHWARTZ

Antes de partir
encherei os meus olhos a minha memória
do verde - verde verde - do meu país
para que quando tomado pela saudade
verde seja a esperança
do regresso breve

Antes de partir
encherei os meus ouvidos a minha esperança
do palpitar que esmorece enquanto a noite
cresce sobre a cidade e que no campo
feito o silêncio dos homens e dos rádis...

KEBUR NOBU

José Carlos Schwartz*
(06.12.1949-27.05.1977)

Malan labradur
bai nha ernon,mola bu n'oroto
ria blanha,fasi bu kebur
na kalur - Malan - na kalur
ma sin bumba, sin dur

Ku utru balur - Malan- ku utru balur
pa sapu kume si labur
ku kalur - Malan - sin dur nin tchur

quinta-feira, maio 25, 2006

Ansiedades



Debruçado no ombro de um verso amigo
a depositar o peso rotineiro
do existencial castigo
embriaguei-me ao calor da áfrica
perfume cinza-rubro da guiné
contemplei o penteado do geba
beijando pindjiguiti deleitável

ondas batendo asas
no batente do meu coração
vi brotar a paz nas alturas
andorinhas construindo ninhos - com carinho
nas profundezas pacíficas do oceano
moldura musical de pombas
trombeteando sinfonia de estrelas
no jazz pulaar de kaabu que harmoniza
o balafong do meu coração

melodia das cigarras –korá
no paraíso idílico da ostentação
divórcio no canal de suez
bomba anti-panafricanista
abominação negro-genética
celeuma do destino ocidental

- áfrica rainha virgem desonrada!

ansiei a azeitona preta do meu pomar
chabéu que me levava à cachéu
deixo flutuar no ar o chapéu
para testemunhar às ondas do mar
à sombra do céu sem véu
o divórcio intestinal do poeta

que o tempo fez réu


Adão Quadé

terça-feira, maio 16, 2006

N misti fasi anu na bu ragas

À Paula Sena

Na bu ragas
n ta fasi mil anu
ke bu sirbin nan tas

bu raganha rostu
na kaida di sol
larma modjan pitu
bu larsi pa djiu di sal

ami i rasa manganas
bu finu-tratu uliulin diritu
gos nha kudadi i nha kabas

amizadi nin si un dia...
i tuada di di bentu bu bin pa fika
i gustus suma mankurkur ku firia
ka bu purfia korson ka pudi rafinka

Dinoti n ta sunha bai bias
saran porta bu ntala tenda
n na surprendiu k'um prenda
n misti fasi anu na bu ragas

Ndongle Akudeta
13.09.04

Eu amo eternamente...o Norte


eu amo eternamente as brisas vindo do norte
descendo aplacadamente do cimo até ao infinito
pese embora na vida não tenha sorte
o meu coração tange o nhanheiro forte-
mente aclamando: ai o amor é bonito

de Bissau admiro tudo mas com loucura
o solo a semente a cultura de uma paixão longínqua
que até então perdura quase que em temor sem cura
semeei ao longo da avenida árvores dos amores

entre a mimese da sombra e a queda das folhas
um coração marcando com a tinta da morte
alma perpetuada na parede do vento no quadro da dança dos reflexos


eu passeante imprevisível colhi entre as folhas bailando no teatro do tempo
a memória do acaso o sexo do sol-pôr sorrindo o brilho de um olhar cândido
a embriaguez da lua pelo beijo da flor de lis a boiar entre os rios
num vaivém incessante onde ancoraram a nave do arco-íris


Homem de Oliveira Carvalho
Maio 2006

domingo, maio 14, 2006

Confissão


(numa mensagem de telemóvel)

Dentre mil e uma meninas
que estiveram na festa
confesso-te- a nua e crua realidade-
representaste a pedra preciosa
almejada pelo meu coração

És a safira teus dentes de diamante
o teu sorriso de rubi
exposta no altar


da minha alma-mármore

És a princesa da noite de fadas
quero aprender a magia do teu encanto
maravilhoso

Vem princesa minha vem
vem iluminar o meu espírito
és a luz a guia
a estrela cinmtilante
do meu sonho transversal


A.Q.
13 de Maio 2006

quinta-feira, maio 11, 2006

Simplicidade


o peso da cabeça
esconde a minha simplicidade
sou um pórtico em grafite
docas estampadas de sobriedade

sobre este tronco sem remessas
saltam marujos gravitantes ao convite
amotinam-se as ondas em vaidade
as brisas tranquilizantes
corrompem tudo em luto
apelando ao silêncio gritante

a musica é assustadora ao pôr-do-sol..
as veias pervertidas comprometem
a minha extroversão
aponto o indicador sempre ao alto

bom dia - preceito da minha domação
a força nunca me traiu a vontade
ouvir a vizinhança a amaldiçoar
o meu nome indicia atentado
contra a humanidade

logro do fogo da compaixão
logo toda a cumplicidade
é abençoada ao amanhecer

fermentos dos meus bolos
coctail do desgrato
a minha esquerda é sacra
e basta um lindo sorrir
transversal da mulher me consolo:

poção mágica em redemoinho
para esconjurar o enfadonho
chave miraculosa da grande fortuna
que o dia guardara para mim

Adão Quadé
Santos, 09.07.03
04:00

BOB MARLEY, O REI DO REGGAE

Mussa Turé


Não me considero um poeta do exílio. O facto de os poemas terem sido escritos em diversas localidades africanas ou europeias, deve-se apenas à minha profissão de jornalista, que me permite esta mobilidade no espaço e no tempo. Escusado será dizer que onde quer que estejamos, a nossa alma poética está sempre connosco.




Mais informação - entrevista e alguns dados biográficos - em: http://groups.msn.com/moransa/mussature.msnw

KAMPUNE

Mussa Turé


Na doçura do teu jeito
encontraste uma alma
sem jeito
de te amar mas que ama

Preta fina flor dos Bijagós
feita kampune de Onhokom
porque trazida do matu malgós
do cemitério de Komo

Na lealdade das tuas palavras
lambe o que digo e faço
não vejas o que fez em mim o tempo das pedras.

Kampune

Porque demoras tanto
com tanto sal e salsas
sempre te esperando no entanto

Com certeza ou não
fico espreitando
para te ver chegar ou não
com teu jeito de gazela
como ponta de iceberg no deserto

Afinal no meu pobre leito
podes embalar teu nobre peito.


(in "Guiné", Mussá Turé, Letras Africanas, Lisboa, 2001)
.....................
glossário

Kampune - Menina; Bijagó-etnia da Guiné;
Onhokom -Aldeia dos Bijagós;
Matu Malgós - Floresta sagrada;
Komo - Aldeia da Guiné.

11 Maio 1981- 11 Maio de 2006: Bob Marley Revisited




"Don't worry about a thing,
'cause every little thing
will gonna be alright. "
- Bob Marley

Essa é uma homenagem a um homem que entrou para a história da luta contra a opressão, o preconceito e a violência. Um homem que nos 36 anos em que viveu deixou uma contribuição inestimável à humanidade em forma de canções de amor e de paz.

Robert Nesta Marley (6 de fevereiro de 1945 - 11 de maio de 1981), mais conhecido como Bob Marley, foi um cantor, guitarrista e compositor jamaicano. Ele é o mais conhecido músico de reggae de todos os tempos, famoso por popularizar o gênero.

Grande parte do seu trabalho lidava com os problemas dos pobres e oprimidos. Ele foi chamado de "Charles Wesley dos rastafaris" pela maneira com que divulgava a religião através de suas músicas.
Bob foi casado com Rita Marley (uma das "I Threes", que passaram a cantar com os Wailers depois de eles alcançarem sucesso internacional). Ela foi mãe de quatro de seus nove filhos, os renomados Ziggy e Stephen Marley, que continuam o legado musical de seu pai na banda Melody Maker. Outro de seus filhos, Damien Marley (vulgo "Jr Gong") também seguiu carreira musical.


Biografia


O ano de 1945 foi um grande ano. Foi em 45 que, depois de nove anos de uma guerra que matou milhões de pessoas em todo o mundo, finalmente a paz voltou a reinar na Terra. Em todos os cantos do planeta as pessoas se abraçaram e puderam comemorar o final do mais triste episódio da história da humanidade. Milhares de filhos voltaram para suas casas, famílias se reencontraram e a construção de um novo tempo começou. Entretanto, em 1945 houve outro grande acontecimento, que só alguns moradores da pequena vila de Nine Mile, interior rural da Freguesia de St. Ann (Santa Ana), no norte da Jamaica, comemoraram. Foi no dia 6 de fevereiro desse ano que lá nasceu o menino Robert Nesta Marley, filho de Cedella Booker, uma garota negra de apenas dezoito anos, e do Capitão Norval Marley, do Regimento Britânico das Índias Ocidentais, um inglês branco de 50 anos de idade que, devido a pressões de sua família na Inglaterra, apesar de ajudar financeiramente pouco conheceu o filho. Mas para entender melhor a história desse menino é preciso voltar um pouco mais no tempo.


Apesar da escravidão ter sido abolida na Jamaica em 1834, aqueles dias de sofrimento ainda estão na memória dos descendentes de africanos e, misturados com os costumes ingleses, fazem parte da cultura da ilha. Já no começo do século passado a herança africana começava a ter expressão política com Marcus Garvey, um pastor jamaicano que fundou a Associação Universal para o Desenvolvimento do Negro.

A organização defendia a criação de um país negro, livre da dominação branca, na África, que recebesse de volta todos os descendentes de africanos exilados na América. Foi inclusive com esse intuito que Garvey chegou a fundar uma companhia de navegação a vapor, a Black Star Line. Mas Marcus Garvey é lembrado na Jamaica também por outro motivo. O pastor, nas suas pregações, costumava repetir uma profecia que logo se espalhou entre a população negra. Ele dizia que logo na África surgiria um Rei negro, o 225º descendente da linhagem de Menelik, o filho do rei Salomão e da rainha de Sabá, que libertaria a raça negra do domínio branco. Anos depois esse rei apareceu. Em 1930 Ras Tafari Makonnen foi coroado Imperador da Etiópia e passou a se chamar Hailè Selassiè. No mesmo momento, os seguidores de Garvey na Jamaica passaram a acreditar que a profecia houvesse sido cumprida e começaram uma nova religião chamada Rastafari. Anos mais tarde, essa religião seria espalhada pelo mundo através da música de um menino chamado Bob Marley.


Por volta da década de 50, a capital Kingston era a terra dos sonhos dos habitantes das zonas rurais da Jamaica. Apesar da cidade não ter muito trabalho a oferecer, multidões se dirigiam para lá para fatalmente engrossarem a população das favelas que já cresciam no seu lado oeste. A maior e mais miserável dessas favelas era Trench Town (ou Cidade do Esgoto), assim chamada por ter sido construída sobre as valas que drenavam os dejetos da parte antiga de Kingston. E foi para lá que Dona Cedella se mudou junto com seu filho no final dos anos 50. O menino cresceu nesse ambiente junto com outros meninos de rua e, em especial, seu amigo Neville O’Riley Livingston, mais conhecido como Bunny, com quem começou a tocar latas e guitarras improvisadas em casa.

O som que os dois garotos faziam era influenciado pelas emissoras do sul dos Estados Unidos que conseguiam captar nos seus rádios e que tocavam músicas de artistas como Ray Charles, Curtis Mayfield, Brook Benton e Fats Domino, além de grupos vocais como The Drifters que tinham muita popularidade na Jamaica.

Nessa época, Bob conseguiu um emprego numa funilaria, mas já tinha a música como grande objetivo de sua vida. A busca desse objetivo ganhou dedicação exclusiva quando uma fagulha da solda com que trabalhava queimou seu olho. O acidente não teve gravidade mas o fez largar o emprego e investir unicamente no aperfeiçoamento da sua música com Bunny. Eles eram ajudados por Joe Higgs, um cantor que apesar de já possuir uma certa fama na ilha ainda morava em Trench Town e dava aulas de canto para iniciantes. Numa dessas aulas Bob e Bunny conheceram outro jovem músico chamado Peter McIntosh.

Em 1962 Bob Marley foi escutado por um empresário musical chamado Leslie Kong que, impressionado, o levou a um estúdio para gravar algumas músicas. A primeira delas “Judge Not” logo foi lançada pelo selo Beverley’s. No ano seguinte Bob decidiu que o melhor caminho para alcançar o sucesso era em um grupo, chamando para isso Bunny e Peter para formar os "Wailing Wailers". O novo grupo ganhou a simpatia do percussionista rastafari Alvin Patterson, que os apresentou ao produtor Clement Dodd. Na metade de 1963 Dodd ouviu os Wailing Wailers e resolveu investir no grupo.

O ritmo da moda na Jamaica então era o Ska que, com uma batida marcada e dançante, misturava elementos africanos com o rhythm & blues de New Orleans e que tinha Clement “Sir Coxsone” Dodd como um dos seus mais famosos divulgadores. Os Wailing Wailers lançaram o seu primeiro single, “Simmer Down”, pela gravadora Coxsone no fim de 1963 e em janeiro a música já era a mais tocada na Jamaica, permanecendo nessa posição durante dois meses. O grupo então era formado por Bob, Bunny, Peter, Junior Braithwaite e dois backing vocals, Beverly Kelso e Cherry Smith.


Nessa época chegou pelo correio a passagem que Dona Cedella, que tinha se casado novamente e mudado para Delaware nos Estados Unidos, conseguiu comprar após muito esforço para juntar dinheiro. Ela desejava dar a Bob uma nova vida na América, mas antes da viagem ele conheceu Rita Anderson e em 10 de fevereiro de 1966 eles se casaram. Marley passou apenas oito meses com a mãe antes de retornar à Jamaica, onde começou um período que teve importância especial no resto de sua vida. Bob chegou em Kingston em outubro de 66, apenas seis meses depois da visita da Sua Majestade Imperial, o Imperador Hailè Selassiè, da Etiópia, que trouxe nova força ao movimento Rastafari na ilha.

O envolvimento de Marley com a crença Rastafari também estava crescendo e, a partir de 67, sua música começou a refletir isso. Os hinos dos Rude Boys deram lugar a uma crescente dedicação às canções espirituais e sociais que se tornaram a pedra fundamental do seu real legado. Bob, então, convidou Peter e Bunny para novamente formarem um grupo, dessa vez chamado “The Wailers”. Rita também começava sua carreira como cantora com um grande sucesso chamado “Pied Piper”, um cover de uma canção pop inglesa. A música jamaicana, entretanto, havia mudado. A frenética batida do Ska estava dando lugar a um ritmo mais lento e sensual chamado Rock Steady.

A nova crença Rastafari dos Wailers os colocou em conflito com Coxsone Dodd e, determinados a controlar seu próprio destino, os fez criar um novo selo, o Wail’N’Soul. Mas, apesar de alguns sucessos, os negócios dos Wailers não melhoraram muito e o selo faliu no fim de 1967. O grupo sobreviveu, entretanto, inicialmente como compositores de uma companhia associada ao cantor americano Johnny Nash que, na década seguinte, teria um grande sucesso com “Stir It Up”, de Bob.


Os Wailers então conheceram um homem que revolucionaria o seu trabalho: Lee Perry, cujo gênio produtivo havia transformado as técnicas de gravação em estúdio em arte. A associação Perry / Wailers resultou em algumas das melhores gravações da banda. Músicas como “Soul Rebel”, “Duppy Conqueror”, “400 Years” e “Small Axe” se não foram clássicos definiram a direção futura do reggae. Em 1970, Aston 'Family Man' Barrett e seu irmão Carlton (baixo e bateria, respectivamente) se uniram aos Wailers. Eles eram o núcleo da banda de estúdio de Perry e haviam participado de várias gravações do grupo. Os irmãos eram conhecidos como a melhor seção rítmica da Jamaica, status que continuariam ostentando pela década seguinte. Os Wailers eram então reconhecidos como grande sucesso no Caribe, mas internacionalmente continuavam desconhecidos.


No verão de 1971 Bob aceitou o convite de Johnny Nash para acompanhá-lo à Suécia, ocasião em que assinou contrato com a CBS, que também era a gravadora do americano. Na primavera de 72 todos os Wailers já estavam na Inglaterra, promovendo ostensivamente o single “Reggae on Broadway”, mas sem alcançar bom resultado. Como última tentativa Bob entrou nos estúdios da Island Records, que havia sido a primeira a dar atenção ao crescimento da música jamaicana, e pediu para falar com o seu fundador, Chris Blackwell. Blackwell conhecia a fama dos Wailers e o grupo estava fazendo uma proposta irrecusável. Eles estavam adiantando 4 mil libras para gravar um álbum e para que, pela primeira vez, uma banda de reggae tivesse acesso as mais avançadas técnicas de gravação e fosse tratada como eram as bandas de rock da época. Antes dessa proposta as gravadoras achavam que um grupo de reggae só vendia em singles ou compilações com várias bandas. O primeiro álbum dos Wailers, “Catch A Fire” quebrou todas as regras: era lindamente embalado e fortemente promovido. Era o começo de um longo caminho à fama e ao reconhecimento internacional. Embora “Catch A Fire” não tenha sido um hit instantâneo, o álbum teve um grande impacto na mídia. O ritmo marcante de Marley, aliado às suas letras militantes vinham com total contraste ao que estava sendo feito então. Além disso, a Island promoveu uma turnê do grupo na Inglaterra e nos Estados Unidos, o que era uma completa novidade para uma banda de reggae. Os Wailers chegaram em Londres em abril de 73, embarcando numa série de apresentações que mostraria sua qualidade como banda de shows ao vivo. Entretanto, após três meses, o grupo voltou à Jamaica e Bunny, desencantado com a vida na estrada, se recusou a tocar na turnê americana. No seu lugar entrou Joe Higgs, o velho professor de canto dos Wailers. A turnê americana incluía, além de algumas casas de show, a participação em alguns shows de Bruce Springsteen e Sly & The Family Stone, a principal banda de música negra americana do momento. Mas depois de quatro shows ficou claro que colocar os Wailers abrindo espetáculos poderia ser ruim para as atrações principais. A banda foi então para San Francisco, onde a rádio KSAN transmitiu uma apresentação ao vivo que só foi publicada em 1991, quando a Island lançou o álbum comemorativo “Talkin’ Blues”. Em 73 o grupo também lançou o seu segundo álbum pela Island, “Burnin’”, um LP que incluía novas versões de algumas das suas mais velhas músicas, como: “Duppy Conqueror”, “Small Axe” e “Put It On”, junto com faixas como “Get Up, Stand Up” e “I Shot The Sheriff” (que no ano seguinte se tornaria um enorme sucesso mundial na voz de Eric Clapton, alcançando o primeiro lugar na lista dos singles mais vendidos nos Estados Unidos). Em 74 Marley passou uma grande parte do seu tempo no estúdio trabalhando nas sessões que resultaram em “Natty Dread”, um álbum que incluía músicas como “Talkin’ Blues”, “No Woman No Cry”, “So Jah Seh”, “Revolution”, “Them Belly Full (But We Hungry)” e “Rebel Music (3 o’clock Roadblock)”. No início do próximo ano, entretanto, Bunny e Peter deixariam definitivamente o grupo para embarcar em carreiras solo enquanto a banda começava a ser conhecida por Bob Marley & The Wailers. “Natty Dread” foi lançado em fevereiro de 75 e logo a banda estava novamente na estrada. A composição harmônica perdida com a saída de Bunny e Peter havia sido substituída pelas I-Threes, um trio feminino composto pela esposa de Bob, Rita, além de Marcia Griffiths e Judy Mowatt. Entre os concertos, os mais importantes foram as duas apresentações no Lyceum Ballroom de Londres que até hoje são lembradas entre as melhores da década. Os shows foram gravados e logo o disco, junto com o single “No Woman, No Cry”, estava nas paradas de sucesso. Em novembro, quando Marley voltou a Jamaica para tocar num show beneficiente com Stevie Wonder ele já era obviamente o maior superstar da ilha. “Rastaman Vibrations”, o álbum seguinte, lançado em 76, atingiu o topo das paradas americanas e é considerado por muitos a mais clara exposição da música e das crenças de Bob. O LP incluía músicas como “Crazy Baldhead”, “Johnny Was”, “Who The Cap Fit” e, talvez a mais significativa de todas, “War”, cuja letra foi extraída de um discurso do Imperador Hailè Selassiè, nas Nações Unidas.


Com o sucesso internacional cresceu a importância política de Bob Marley na Jamaica, onde a fé Rastafari expressa por sua música alcançava forte ressonância na juventude dos guetos. Como forma de agradecimento ao povo da ilha, Bob decidiu dar um concerto aberto no Parque dos Heróis Nacionais de Kingston, em 5 de dezembro de 1976. A idéia era enfatizar a necessidade de paz nas ruas da cidade, onde as brigas de gangues estavam causando confusão e mortes. Logo depois do anúncio do show, o governo convocou eleições para o dia 20 de dezembro. Isso deu nova força à guerra no gueto e, na tarde do concerto atiradores invadiram a casa de Bob e o alvejaram. Na confusão os atiradores apenas feriram Marley, que foi levado a salvo às montanhas na cercania da cidade. Entretanto ele resolveu fazer o show de qualquer maneira e subiu ao palco para uma rápida apresentação em desafio aos seus agressores. Foi a última apresentação de Bob na Jamaica por oito meses. Logo após o show ele deixou o país para viver em Londres, onde gravou seu próximo álbum, “Exodus”.


Lançado no verão daquele ano, “Exodus” consolidou o status internacional da banda, ficando nas paradas da Inglaterra por 56 semanas seguidas e tendo seus três singles - “Waiting In Vain”, “Exodus” e “Jammin’” - com grandes vendagens. Em 78 a banda capitalizou novo sucesso com “Kaya”, que alcançou o quarto lugar na Inglaterra logo na semana seguinte do lançamento. O álbum mostrava um novo ângulo de Marley, com uma colecção de canções de amor e, claro, homenagens ao poder da “Ganja”. Do álbum foram extraídos dois singles: “Satisfy My Soul” e “Is This Love”.

Ainda em 78 aconteceriam mais três eventos com extraordinária importância para Marley. Em abril ele voltou à Jamaica para o “One Love Peace Concert”, quando fez com que o Primeiro-Ministro Michael Manley e o líder da oposição Edward Seaga se dessem as mãos no palco. Ele foi então convidado para ir à sede das Nações Unidas, em New York, para receber a Medalha da Paz. E, no fim do ano, Bob visitou a África pela primeira vez, indo inicialmente ao Kenya e depois à Etiópia, o lar espiritual Rastafari. A banda havia recém-terminado uma turnê pela Europa e América que rendeu o segundo álbum ao vivo: “Babylon By Bus”. “Survival”, o nono álbum de Bob Marley pela Island foi lançado no verão de 1979. Ele incluía “Zimbabwe”, um hino para a Rodésia, que logo seria libertada, junto com “So Much Trouble In The World”, “Ambush In The Night” e “Africa Unite”. Como indica a capa, que contém as bandeiras das nações independentes, “Survival” foi um álbum em homenagem à solidariedade Pan-Africana. Em abril de 1980, o grupo foi convidado oficialmente pelo governo do recém libertado Zimbabwe para tocar na cerimônia de independência da nova nação.

Essa foi a maior honra oferecida à banda e demonstrou claramente a sua importância no Terceiro Mundo. O próximo disco da banda, “Uprising”, foi lançado em maio de 80 e teve sucesso imediato com “Could You Be Loved”. O álbum também trazia “Coming In From The Cold”, “Work” e a extraordinária faixa de encerramento, “Redemption Song”. Os Wailers então embarcaram na sua maior turnê européia, quebrando recordes de público pelo continente. A agenda incluía um show para 100 mil pessoas em Milão, o maior da história da banda. Bob Marley & The Wailers eram a maior banda na estrada naquele ano e “Uprising” estava em todas as paradas da Europa. Era um período de máximo otimismo e estavam sendo feitos planos de uma turnê na América em companhia de Stevie Wonder no final do ano.


No fim da turnê européia Marley e a banda foram para os Estados Unidos. Bob fez dois shows no Madison Square Garden, mas logo após caiu seriamente doente. Três anos antes, em Londres, ele havia ferido o dedo do pé jogando futebol. O ferimento se tornou canceroso e, apesar de ter sido tratado em Miami, continuou a progredir. Em 1980, o câncer, em sua forma mais virulenta, começou a se espalhar pelo corpo de Bob. Ele controlou a doença por oito meses, fazendo tratamento na clínica do Dr. Joseph Issels, na Bavária. O tratamento de Issels era controvertido por só usar remédios naturais e não tóxicos e, por algum tempo, pareceu estabilizar a condição de Bob. Entretanto, repentinamente a luta começou a ficar mais difícil. No começo de maio ele deixou a Alemanha para voltar à Jamaica, mas não completou a viagem.


Bob Marley morreu num hospital de Miami na segunda-feira, 11 de maio de 1981. No mês anterior, Marley havia sido agraciado com a Ordem do Mérito da Jamaica, a terceira maior honra da nação, em reconhecimento à sua inestimável contribuição à cultura do país. Na quinta-feira, 21 de maio de 1981, o Honorável Robert Nesta Marley O. M. recebeu um funeral oficial do povo da Jamaica. Após o funeral - assistido tanto pelo Primeiro-Ministro como pelo líder da oposição - o corpo de Marley foi levado à sua terra natal, Nine Mile, no norte da ilha, onde agora descansa em um mausoléu. Bob Marley morreu aos 36 anos, mas a sua lenda permanece viva até hoje.


"NATURAL MYSTIC"


there's a natural mystic blowing through the air

if you listen carefully now you will heart

his could be the first trumpet,might as well be the last

many more will have to suffer

many more will have to die - don't ask me why

things are not the way they used to bei won't tell you no lie

one and all have to face reality

now 'tho i've tried to find the answer

to all the questions they ask't

ho i know it's impossible

to go living through the past

don't tell no lie

there's a natural mystic blowing through the air

can't keep them down

if you listen carefully now you will hear

Chapa-chapa

Conto


«Pa bu kunsi bu kabesa ika prisis
bai bota sorti na mon di muru
- Para conhecer-se a si mesmo
nao é preciso ir ao marabou
»
Manuel Pereira

«A nossa chapa-chapa é nossa manta que nos protege do frio» expressão esta que a N’na Pondu usava pra alicerçar a boa conduta da netinha orfã de quem ela cuidava desde aos sete anos de idade. A Banana cresceu a vender a sua consciência nos becos dos nossos bairros de ruas anónimas. A sua vida de «bidera» em nada interferiu nos seus estudos, aliás ela foi das alunas mais regulares quer pela presença quer pelo sucesso. Hoje a Banana é médica terapêutica pelo Hospital Nacional Simão Mendes, caminho este que trilhou com muito suor, determinação e dedicação.

O calendário assinalava vinte e um dias do mês de Abril e, no céu um sol abrasador de Quaresma quando se deu entrada nos serviços hospitalares de emergência à uma mulher esquelética que pelo preenchimento dos requisitos formais sabia-se que chamava–se Anura. E a espera afêteré que vestia mostrava as profundezas dos poços na parte superior das suas clavículas. Logo foi atendida pela enfermeira de serviço que a deu as primeiras medicações. Passados alguns dias os resultados dos diagnósticos rezavam que a Anura é seropositiva aliás é doente de sida. A esquelética mulher transferida de uma sala para outra onde veio a ocupar a cama número 29 de entre outras numa salada de pacientes.

A Banana ou melhor a doutora Éden nas suas visitas médicas matinais de rotina aos pacientes a dar novas medicações ou a saber de como estão sentindo os enfermos. Estava ela na cama número dois, quando ouviu uma voz meia morta e rouca a chamá-la – «Banana». Virou-se p’ra ela mas não a reconhecia – «Sou eu Anura» – «Anura!» – exclamou a doutora. – «O que é que você tem» – interrogou de seguida. – «Já há muito que estou doente, dizem que é problema com cerimónias de anda cabaz». A doutora ordenou-a esperar continuando distribuir os quininos e papéis de novas análises conforme o evoluir e as exigências de cada. Voltada à Anura ajustou os óculos cor d’oiro e sacou da portfólio o dossier dela. Dando um golpe de vista nas enfermas papeladas disse–a – «segue me», tomando a direcção à sua sala de consultas.

Uma vez na sua sala fitou tristemente na óssea amiga de infância e adolescência enfiada a sua frente numa cadeira, buscando palavras para eximir da já debilitada mente dela os mistos preconceitos tchon’almente.
A doutora ciente de que deve a amiga saber que doença contraiu e como portar com ela, começou assim – olha Anura o seu problema não é nada de anda cabaz ou de tchon e, é sério, – interrompeu o discurso para atender um telefonema vindo de uma das dependências do estabelecimento hospitalar. Retomou a conversa puxando a cadeira para perto da amiga e, segurou as palmas de mãos dela como que a dizer sinto muito. Fitou na amiga e disse–a meigamente
– Você está doente de sida. Mas não preocupe que eu tomo conta de você e, tudo vai correr bem se Deus nos ajudar.
– Tudo vai correr bem se Deus nos ajudar – repetiu a Anura cabisbaixa, dando uma pausa –Doutora! Não vês que já sou defunta – continuou ela.

De um dos armários a Dra. Éden puxou a gaveta de onde tirou um pacote de antiretrovirais que entregou-a explicando as instruções de como tomá-los.

Passados dias, semanas e a Anura contente pela forma carinhosa que vem sendo tratada pela companheira doutora achou que é dado retribuir dizendo pelo menos obrigada. Bateu a porta, pediu permissão, penetrou na arcondicionada sala e, encaixou-se na cadeira oposta a da doktor. E, no entanto a doente no lugar de obrigado começou com desculpas ou melhor com remorso de riram-se da amiga quando ainda adolescentes e companheiras de turma.

– Doutora, desculpe-me. Esta é a nossa sorte. E cada um tem a sua. A minha é esta.

Caros virtuais leitores, a nossa sorte tem um peso e uma medida. Em toda a nossa vida a nossa sorte tem metade de caneca que é cinquenta porcento e a outra metade depende de nós mesmos, mas tão-só de nós mesmos.

Sem ser interrompida pela doutora continuou a passada

– Lembras daquele tempo em que eu e a falecida Guta insistíamos para que fôssemos às Tiras Pratas, ao Ponta Neto, a Hatch M’bida no espectáculo do N’kasa, e você sempre recusava por não ter roupas de gala, e nem sequer aceitava tomar emprestada as minhas saias plissadas, ou o meu “mingón bico”. E que as monótonas desculpas suas foram sempre amanhã tenho um mar de afazeres e, ou a N’na está doente devo cuidar dela e, ou esquecem que amanhã temos chamada escrita ou oral. E nós sem estudar sempre apanhávamos boas notas, claro que da nossa maneira.
E até nós sugeríamos mostrar-lhe como facilmente fazer muito dinheiro e estar na moda.
Os mais porreiros gatos corriam atrás de mim e da Guta (que está no outro mundo) porque nós éramos as mais curtidas badjudas do Kwame Nkrumah.
Lembras do Maneli? Esteve em Lisa, foi deportado e agora o gajo futiu. Que sorte malvada? A vida dos gajos e badjudas curtidos virou ah!....
....Olha só em você como é que estás toda pomposa de gargantilhas e pulseiras doiradas. Olha só em mim, magra como cachorra doida e, esta afêteré que em mim pendura como se num cabide. Mas será que esta é a nossa sorte? Será que se eu não abandonasse o estudo no oitavo ano, seria esta a minha sorte?

A Dra Éden que passou minutos a fios abanando a cabeça em silenciosa concordância com o amistoso desabafo cortou o discurso da outrora pueril amiga.

– Anura! A nossa vida tem um só destino final e há múltiplos caminhos p’ra atingir o desejado. Você escolheu (não digo o mais fácil) o mais sinuoso e traidor atalho que te conduziu a um beco sem saída ou seja à uma ilusória felicidade. Eu escolhi podar, capinar, esgravatar, lançar sementes, mondar, vigiar e recolher. Por outras palavras eu escolhi o suor da minha testa p’ra o tempero da minha vida. Por outras palavras, você escolheu lançar pedras as mangas verdes impedindo que as flores frutifiquem.

A arrependida desatou a lacrimar. Aproveito da palavra de um escritor maior que eu, que disse chorar faz bem a alma. Mas, será que essas lágrimas é o real preço da desfrutada sabura?

Nada podemos fazer para voltar o tempo, mas tudo podemos fazer transmitindo esta estória aos nossos filhos, netos dizendo-lhes que a nossa vida é curta e cada segundo, minuto, hora, dias e anos deve ser vivida dentro daquilo que é a razão da nossa criação e existência.
FIM
Manuel Pedro Pereira, Jr.
(DJOMBOKILIN)
Moscovo, 23/12/2005

..............................
bidera – vendedeira
espera afêteré – uma espécie de vestido de cortes simples
anda cabaz – cerimónia papel (etnia) na qual se leva à cabeça cabaça
tchon – chão; coisas de terra
mingón bico – sandália plástica de bico agudo nos meados de ano 80
sabura – luxo, alegria, sabor, saboroso/a, bonito/a (muzika sabi)