sábado, dezembro 05, 2009

Engomadeira
exercitando
o contorno da nádega

Na antecipação
da execução
do corpo da música

Emaranhada
em lianas de ritmo
da dança
inconcebível


na harmonia da luz interior
um retelho de lua
na mesa da madrugada efervescente

a lisura da alma
ondulação tranquila da mão macia
no leito da ignição motora
do orvalho
encandecente

*****

uma música indecifrável
no alto de um bairro intransponível

já fui rei numa noite infindável
coroada de loucuras e fantasias

fui sim mais que real surreal
transitando na órbita
da melodia
melancólica do fumo
etílico

ressuscitei neófito
com bengala mágica
da autoflagelação do espírito frontal

preciso silêncio na hora fatal.
música...aurora...carnaval!

04.12.09
A.Quadé